segunda-feira, 28 de janeiro de 2008

Trilha da semana

Depois de uma disputa assirradíssima com I say a little pray for you e o grande clássico do rock progressivo Atirei o Pau no Gato (sim, aquele do "Hey, Chica, deixe o gato em paz!"), Pato Fu, você venceu. Perfect.

Perdendo Dentes
Pato Fu
John/Fernanda Takai

Pouco adiantou
Acender cigarro
Falar palavrão
Perder a razão
Eu quis ser eu mesmo
Eu quis ser alguém
Mas sou como os outros
Que não são ninguém
Acho que eu fico mesmo diferente
Quando eu falo tudo o que penso realmente
Mostro a todo mundo que eu não sei quem sou
Eu uso as palavras de um perdedor
As brigas que ganhei
Nem um troféu
Como lembrança
Pra casa eu levei
As brigas que perdi
Estas sim
Eu nunca esqueci
Eu nunca esqueci
Pouco adiantou
Acender cigarro
Falar palavrão
Perder a razão
Eu quis ser eu mesmo
Eu quis ser alguém
Mas sou como os outros
Que não são ninguém
Acho que eu fico mesmo diferente
Quando eu falo tudo o que penso realmente
Mostro a todo mundo que eu não sei quem sou
Eu uso as palavras de um perdedor
As brigas que ganhei
Nem um troféu
Como lembrança
Pra casa eu levei
As brigas que perdi
Estas sim
Eu nunca esqueci
Eu nunca esqueci
As brigas que ganhei
Nem um troféu
Como lembrança
Pra casa eu levei
As brigas que perdi
Estas sim
Eu nunca esqueci
Eu nunca esqueci

quinta-feira, 24 de janeiro de 2008

Cause I'm leaving on a jet plane



Quando nossos amigos partem para conhecer novos mundos, nosso mundo é partido e passa a ser novo também. Estou de malas prontas.

segunda-feira, 21 de janeiro de 2008

Jeitinho brasileiro

(18h50. Cansaço. Trem lotado, quente, abafado, fedido e lento. Deveras lento.)
Maquinista: Senhores usuários, queiram dar uma apertadinha para que as portas se fechem.
(Risada geral)

E é por essas e outras que é preferível chegar antes de todos pra poder sair mais cedo do trabalho.

terça-feira, 15 de janeiro de 2008

Mas o dia insiste em nascer...



E ainda bem!

Já estamos em meados de janeiros, e o ano que se foi pede uma explicação, enquanto 2008 quer uma saudação.

2007 não foi nada fácil. Ele me mostrou o desalento, a solidão, o desconsolo, a amargura, o medo. Me deu de presente o espelho da minha alma, me fez enxergar todas as suas mazelas, distorções, fealdades...todo seu charco fétido, escuro e espesso.

Mas o ano que se foi também me deu anjos no caminho. Me deu papel e tinta pra escrever e desabafar. Me deu lixo pra jogar tudo fora. Me deu orelhas para me ouvirem. Me deu tempo e sabedoria para me embrear na arte de aproveitar as próprias faltas.

2007 me ensinou que não vale a pena perder tempo com quem não vive o seu tempo. Meu coração é lento nessa matéria, e eu fiquei de recuperação. Mas não bombei.

O ano que acabou de se despedir poderia ter sido o pior da minha vida. Mas sou teimosa e digo que não foi. Em 2007, ganhei as minhas melhores armas, fortaleci meus músculos e descobri meus tendões - construí armaduras para eles.

Em 2008 vou polir todas essas armas e encher seus tubos de flores e perfumes.

O ano que me desperta nasceu ensolarado e colorido. Me nasceu de presente.

O velho sorriso que insiste em visitar a minha face, mesmo nas horas mais duras, resplandece ainda mais nesse recém-nascido. Embalo-o junto ao peito e digo em seu ouvido: obrigada, obrigada, obrigada...

2008: ano de novas cores, novos sabores. Ano de errar, errar muito. Para poder usar minhas armas amores. 2008, 366 dias de ação de graças.

Feliz Ano Novo pra mim.
Feliz Ano Novo pra você!

Feliz Ano Todo!!!

quinta-feira, 10 de janeiro de 2008

Um sonho ruim

Foi a última vez
que se viram
mãe e filho
se feriram
Dor desgosto
Arma, pó, esgoto
Foi a última vez
que se falaram
cordão e umbigo
se soltaram
Triste telefonema
Suma, traste, problema

Foi a última vez
Vésperas de Cristo nascimento
Cinco tiros
E agora, quem poderá lhe dar alento?