quarta-feira, 22 de abril de 2009

Poetize!

O site www.talentos.wiki.br, vinculado ao www.brasilwiki.com.br foi lançado hoje, 22 de abril, com um concurso de poesia de brinde. O primeiro colocado ganha R$5 mil, o segundo, R$3 mil, e o terceiro, R$1 mil (eles gostam de números primos!rs). Além disso, as 70 poesias mais bem avaliadas serão editadas em um livro.

Os avaliadores são os próprios internautas além de um júri especializado: Aercio Flavio Consolin, Cristine Gerk, Isabel Furini, João Lins de Albuquerque, Paulo Leandro Valoto e Welington Andrade.

O concurso vai de 22 de abril a 7 de junho, e cada autor poderá inscrever duas poesias. Acesse o site e leia o regulamento para saber mais detalhes.

Se você ganhar, eu sou sua amiga =)

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Stop!

Meu querido amigo André Calou sugeriu postar um texto seu aqui nesse lugarzinho. Adorei a ideia e aceitei de pronto! Agora, divido com vocês um pouco do que se passa no mundinho de Deco Peteleco.

Segue o texto:

Ensaio sobre a Cegueira

Outro dia, mentalmente motivado por uma discussão fantástica numa das disciplinas que faço no meu curso, fiquei pensando sobre o assunto. Esta questão sobre ser cego enxergando e supostamente descobrir a visão também é questionável.

Nós vemos o que vemos que queremos ver. Até aí, sem grandes novidades no front. Mas será mesmo que está glamorosa realidade existe também???

Que realidade enxergar? Enxergar a fome e a miséria que existe no mundo curiosamente desencadeia um processo de cegueira sobre os processos de desenvolvimento humano que levaram o progresso para alguns em troca da miséria absoluta de muitos. Contudo, parece haver certa falta de empenho em compreender que vivemos um paradoxo eterno – este texto devia ter outro título – nesta vida moderna.

O paradoxo de viver sobre as pressões extremas impostas pela sociedade e aquelas que impomos a nós mesmos pode ser um grande motivador desta pseudo-cegueira.

Imaginando neste ponto que provavelmente existem zilhões de textos e teses contando pra você exatamente a mesma coisa, eu quero apenas fazer das minhas palavras uma música de reflexão para quem lê isto, possa ter a oportunidade de viver melhor (olha o estereótipo chegando aí gente!..rsrsrs) a sua vida.

Pegue um papel e uma caneta. Vamos brincar de um “stop” filosófico. Faça colunas com os seguintes tópicos:

o que eu faço na vida|do que eu faço, eu gosto de..|do que eu faço, eu não gosto de..|o que o mundo me diz para fazer|o que do mundo eu faço|o que eu faço que o mundo não deixa|

Se você foi paciente para ler até aqui, se teve uma sinapse de impulso para tentar, mas achou perda de tempo, faça! Depois você deixa um comentário aqui, e conta se você acha que enxerga ou não.






segunda-feira, 13 de abril de 2009

Reforma

Amigos,

Como podem ver, este blog está mudando sua configuração. Aos poucos, virão móveis novos, quadros bonitos, lembrancinhas aqui e acolá da última viagem ao Alabama ou mesmo um bibelô da Cochinchina.

Espero que tenham gostado e continuem fazendo suas tão gratas visitas!
O link da imagem deste blog ficará permanente em "Simulacros", logo ali, no quarto ao lado.


Muito obrigada e voltem sempre!=)

quinta-feira, 2 de abril de 2009

Espiral

Optei pelo silêncio para aliviar meu cansaço
Para evitar que a maledicência sugue minha garganta
Arranca meus olhos, tampa-me a boca, prenda-me a voz
Há espasmos ventando de pavor aqui dentro
Tá escuro!
Socorro. Oco.
A minha alma está de mudança
Tanto visco, nojo, asco em conflito com o devir-ser
É sebo pegajoso que não mais comporta nem os livros rasgados e amarelos
Estantes em estilhaços, ideias asfixiadas em busca de ar fresquinho
Do buraquinho lá em cima
A minha alma está de mudança
Mãos feridas de tanto se segurarem
Pescoço em riste para não caírem os ombros
Meu recanto de flores está intacto
Minha alma está de mudança,
Mas levo-as comigo
Levo espinhos da inveja, desconforto, murmuração e medo...
Muito medo!
Tá frio aqui!
Me aquece! Fica comigo? Não vá embora!!!
E o mal ocorre antes mesmo de acontecer
Sinto muito, amor, você demora muito.
Já passa da meia-noite, e não veio boa noite.
Oi, moço, me dá bom dia?
Minha espinha em espiral frente a pensamentos tão confusos
Venham, mãos que abraçam, desespiralizar tanta angústia de perder
-Não chores menina, não chores... Eu vou derrubar todos os seus medos.
E, no entanto, amor, você demora muito.
Pourtant, n’importe l'endroit, je vais avec toi.
(...)
E cada vértebra sorri a dor que sinto
A dor descanso
A minha alma está em mudança e quer cheiro de alecrim
De eucalipto e de lavanda,
Quer orquídeas em seu jardim
Ela está de mudança, mas levo-as comigo
Levo em meu casulo, não casco
Minha alma está de mudança e pede quentinho
Quietinho
Brisa fresca
Assento
Silêncio.