terça-feira, 27 de novembro de 2012

Let it be


Quando a gente é pequeno e passa uma formiga próximo a nós, dá um certo prazer, vez ou outra, pisar sobre ela. Lá se extingue uma vida. É como se a gente experimentasse um pouquinho como é ser Deus.


Ao nos fazermos adultos, ponderamos que talvez seja melhor deixá-la onde está, e essa descoberta é dolorosa. Se superada a tentação, descobrimos a novidade: deixar viver aproxima mais a criatura do criador.  

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Aqui e acolá. E olhe lá.


Uma mulher de 30 anos merecia mais, tripulante. Sou balzaquiana e com muito gosto. É uma idade bonita, e, dela, não tenho nenhuma vergonha. Ao contrário: queria ser todinha dela.

Iniciei, no entanto, uma nova década e com muitas dívidas para comigo mesma.
Eu esperava mais. Uma mulher madura, que soubesse se vestir, que não errasse o  passo, que soubesse o que queria, que não (se) perdesse. Que fizesse o que devia e que estivesse no que fizesse.

A maternidade, o dinheiro, o prestígio e as conquistas.  Eu esperava um amor, e esse eu conquistei, sou muito feliz e grata por isso. Mas estamos no mesmo barco, rodopiando a cada onda, maldizendo a tempestade. Desgastados, inocentes, carentes, mas de mãos dadas, com leme da fé e a bússola da esperança.

E eu me pego sem o direito de sonhar, porque me vejo em tudo, e quem quer tudo não tem nada. Eu almejo muito meus trinta da certeza.

Já não desejo mais o maravilhoso da infância, o romântico da adolescência, nem o fantástico da juventude. Quero o realismo doce da maturidade. Quero a alegria cotidiana, a luta, o silêncio, o sorriso no trabalho doloroso, os passos ao passo do relógio, a satisfação de um livro terminado, de um trabalho acabado. O reconhecimento de uma tarefa bem sucedida.

Não quero mais a escrita com metáforas e subterfúgios, quero, outrossim, o alívio da libertação, trancafiada no meu ofício. Custe o que custar.

Desculpe, leitor. Não é que perdi o gosto pela escrita e pela poesia, é que elas estão entaladas aqui, esperando um porto para ancorar.