quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

Nunca em branco



Meu livro tem gostas de sal e de sangue. Feixes de luz, rabiscos à toa e grifos do batente. Meu livro leva as marcas das minhas unhas, a força da minha memória e o tempo contado no relógio. Meu livro tem todo sentimento numa gota do mar. 

Meu livro é torto e amarelado, dobrado, mas cuidado com marca-texto. Meu livro sou eu, você e toda gente. Meu livro não tem Control + Z.

Meu livro é ressaca. Está esgotado. Meu livro é prazer. É todo sabor, toda eu, sou toda sua. Meu livro me tem em suas linhas.